EDUCAÇÃO

Ala 13 recebe palestra de prevenção e combate ao uso de drogas

Evento teve presença de juiz auditor de São Paulo
Publicado: 06/12/2017 16:00h
Imprimir
Fonte: Ala 13, por Tenente Beatriz Kramer
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Felipe Bueno

Duzentos e cinquenta militares da Ala 13, localizada em São Paulo (SP), participaram, no dia 28 de novembro, da palestra de prevenção e combate ao uso de drogas. O evento, que faz parte do cronograma do projeto de combate às drogas da Ala 13, contou com a participação do juiz auditor da 1ª Auditoria da 2ª Circunscrição Judiciária Militar de São Paulo, Ricardo Vergueiro Figueiredo, e foi direcionada a cabos e soldados do efetivo. Além de enfatizar aspectos sobre a prevenção ao uso de entorpecentes, abordou temas como criminalidade no país, crime organizado, narcotráfico e o reflexo desses problemas no âmbito individual e social.

O Comandante do 13° Grupamento de Segurança e Defesa da Ala 13, Major de Infantaria Fernando Vítor da Silva Neves, comentou a importância do tema dentro da unidade. "A palestra foi muito proveitosa, é um reforço ao combate ao uso de drogas, tendo em vista que boa parte do nosso efetivo é composta por jovens entre 19 e 25 anos, faixa etária de maior incidência desse transtorno social", disse.

O palestrante também enfatizou a responsabilidade do militar na sociedade. "Discutir sobre o tema das drogas entre jovens militares tem um efeito pedagógico. Essa é uma oportunidade de esclarecimento e um estímulo à reflexão. A farda tem peso. Tenho certeza que ao deixarem o quartel, esses jovens levarão consigo todos os valores aprendidos aqui dentro. O patriotismo que não há lá fora tem que existir na caserna. Qualquer atitude não compatível com a postura militar pode denegrir a imagem das Forças Armadas", afirmou Ricardo Figueiredo.

Entre os espectadores, o Cabo André Luiz Moreira Pereira, que também cursa o quinto ano de Direito, falou sobre a importância do projeto para alcançar o jovem militar como um aliado. "Nós, jovens estudantes, imaginamos os magistrados como pessoas diferenciadas, distantes da sociedade, e que devemos temer. Encontrar um juiz em nossa OM, esclarecendo nossas dúvidas, teve um significado enorme. Ele abordou o tema das drogas em uma visão ampla, explicando que o consumo não afeta só o usuário, não é um fato isolado, e sim um financiamento ao crime de forma geral", destacou.

Fotos: S1 Queiroz/Ala 13.